Image Map

02 setembro 2013

Sociedade de Rótulos

         Olá meus amores. Eu sou a nova postadora daqui do blog Um Pouco de Mundo. Entrei na equipe como escritora e irei trazer textos aqui ao blog tanto de minha autoria como de outros autores, o meu objetivo é que traga assuntos polêmicos ou que mostrem a realidade. Hoje trouxe um texto de minha autoria que irá ficar mais como uma reflexão sobre essa tal sociedade de rótulos que julga as pessoas como se fossem produtos. Tentei escrever de uma forma que desse para entender o lado de cá e o lado de lá da história, o que foi algo desafiador já que tenho poucas semelhanças com as personagens. Foi uma grande mentalização para conseguir incorporar o texto. Além de ter uma parte narrativa e outra dissertativa.
Untitled

Ponto de vista 1
         Sabia que eu não estava tão bem calças jeans velhas e rasgadas um tênis de marca já velho e uma blusa amarela meio amassada. Cabelos mal penteados e um clubmaster marrom com um grau “fundo de garrafa”. Não é que seja desleixada é que eu gosto de usar o que me faz bem. Subi para o ônibus e sentei de um lado de um garoto, não presto atenção em aparências e, portanto não posso o descrever.
         Falei “Oi” para ele, costumo interagir com as pessoas, mesmo com os desconhecidos, é apenas questão de educação. Pensei que ele iria responder algo construtivo ou ser somente educado, mas, nossa ele olhou para mim dos pés a cabeça e disse: “Desculpe não faço contato com pessoas desleixadas”. A partir dai levantou-se e sai do meu lado do ônibus e sentou do lado de outra garota. É incrível que ainda existam pessoas que rotulam as outras.
Ponto de vista 2
         De repente uma gorda desleixada entre no ônibus. Como alguém pode não se cuidar daquela maneira, tomara que ela não sente do meu lado, imagina se aquilo começar a transpirar? Ainda bem que está frio. Olha os óculos da palhaça, estou me aguentando para não ri. Não acredito ela sentou do meu lado. Tomara que fique calada. E de repente aquela gorda fala um “Oi”. Dei um fora nela e sai dali. Gorda chata.

        Perceba que ele não teve a oportunidade de interagir com a pessoa e já partiu aos xingamentos. É um assunto muito delicado que envolve o psicológico e o físico da pessoa e abrange um pouco mais de situações do que o bullyng. Envolvem preconceitos éticos, morais, raciais, sociais, morais e etc. Li alguns depoimentos na internet e conversei com alguns amigos que já passaram por preconceito e trouxe alguns depoimentos. 
No ano passado eu passeava num shopping de Curitiba com a minha mãe, quando gostei de uma blusa. Entrei na loja. Vi o preço. Era caríssima. Mesmo assim quis experimentar. Mas ninguém me atendia. As vendedoras me olhavam de cima para baixo. Olhavam e faziam que não estava me vendo. Fiquei nervosa e fui embora. Disse a minha mãe o que tinha acontecido. Decidi então voltar. Entrei e contei ate dez. Todos continuavam a me ignorar. Ai eu explodi. "Será que tenho de abrir minha bolsa e mostrar o cartão de credito?" Virei às costas e sai. A gerente então correu atrás de mim. Tentou me explicar que não podia adivinhar que eu tinha dinheiro para comprar a blusa. Não quis ouvi-la, não. Poxa, só porque sou negra não posso ter dinheiro? O preconceito existe, sim...
Cinthya Rachel, a Biba do castelo Rá-Tim-Bum Fonte: Pense antes de Discriminar

Eu gosto de rock e estudo num colégio onde a maioria das pessoas curtem outros ritmos. Sempre respeitei a todos, mas, as pessoas me discriminam pelo meu jeito de vestir, de falar e até mesmo pelas músicas que escuto. Além do fato de ler muito e também tirar notas altas as pessoas me botam nomes desagradáveis. A sociedade te rótula até pelo seu jeito de ser.
 Anômimo 

Agora fiquem com a reflexão sobre essa tal sociedade de rótulos que não não sabe quebrar esses tabus.
Uma ótima semana e resto de segunda. Fiquem com Deus
Maria


9 comentários:

  1. Pois é, colega. A sociedade não consegue quebrar tabus e uma cultura arcaica e atrasada q por sua vez nos atrasa e oprime enquanto seres humanos. Tanto no que diz respeito a aparência, raça, orientação (não opção!) sexual...parece existir um pensamento coletivo forte e persistente que insiste em, ou manter as coisas como estão, ou, o que é pior, jogá-las lá pra trás.
    É realmente uma reflexão que deve ser feita. Pois até nós mesmos às vezes acabamos por "concordar" que as coisas sejam assim!

    ResponderExcluir
  2. Exatamente, acabamos aceitando isso de alguma forma e com isso só incentivamos que os outros continuem. A mudança deve começar de cada um de nós.
    O pior é quando esses tabus vão se acumulando em pequenos gestos e deixamos passar tudo isso.

    ResponderExcluir
  3. Muito triste essa realidade na qual estamos inseridos... rótulos e preconceito andam de mãos dadas, já a união entre as pessoas de idéias diferentes, credos diferentes é sempre cheia de atritos e discurções, até parece que o lado negativo da vida é mais contudente... sei lá é tão doente... eu encaro tudo isso Maria, como uma doença... precisamos saber nos unir melhor e vencer todas essas barreiras...sendo pessoas melhores!

    Adorei seu post viu. Abs

    ResponderExcluir
  4. Assunto complicado,porque todos nós temos um pouco de tudo,por isso existe graças a Deus a diversidade de raças,culturas e estilos...eu confesso sou preconceituosa,mas guardo pra mim,Por exemplo quando vejo uma pessoa tenho mania de "achar" que ela é desse ou daquele jeito,mas fico comigo,depois que conheço ai vejo que não era nada daquilo que pensava.O que temos que fazer é respeitar cada qual com sua classe,cor,religião,estilo seja o que for.Assim temos um mundo melhor!xeroo!

    ResponderExcluir
  5. Detesto rótulos! Acho que as pessoas estão se tornando tão covardes que seus refúgios são apontar e humilhar os outros. Me entende? Tipo: Ah, eu perdi um real. Vou roubar um real daquele menino ali para ele ficar como eu. É algo desse tipo, na minha opinião. As pessoas que gostam de julgar os outros, de lhes dar adjetivos não pedidos e indesejáveis, são tão covardes que em vez de mudar, querem que todos sejam como eles. Infelizmente a sociedade possui muitos defeitos, mas acabamos aprendendo com eles. Se esses rótulos não existissem, não perceberíamos que somos importantes, que somos amados. Não percebemos o quanto somos abençoados pela vida que temos se não vermos como a vida das pessoas de rua são. Acho que está tudo equilibrado, mas infelizmente é verdade que rótulos são coisas muito fortes, que podem inclusive ocasionar em um suicídio.

    ResponderExcluir
  6. Triste realidade, e acredito que isso não vá mudar(não tão cedo), eu e minhas irmãs já passamos por uma situação parecida em uma loja,sem contar o quando já fomos discriminadas em escolas,apenas pelo fato de termos vindo da África. Parabéns pelo post, ficou excelente. bj

    ResponderExcluir
  7. Preconceito nas lojas existe demais. Bom, espero que não em leve a mal, é uma crítica construtiva, mas acho que você não conseguiu ver realmente o ponto de vista 2 da história que criou. Não que eu concorde com ele, bem pelo contrário, mas não é bem assim as coisas, eu acho. É que na verdade não consigo imaginar uma pessoa só trocando de lugar porque alguém meio desajeitado sentou ao seu lado!

    Beijo
    http://o-doce-mundo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá, que bom que tem nova escritora no blog hehehheh
    Recebi um comentário e venho retribuir, fico seguindo e deixo meu convite!! Te espero no aprendendocuriosamente.blogspot.com e se puder ser mais uma seguidora, ficarei imensamente feliz! Beijos e uma excelente quarta feira

    ResponderExcluir
  9. Lindo o texto! Rótulos realmente existe muito no mundo...
    Beijinhos, flor!
    http://www.momentosassim.com/

    ResponderExcluir

- Comente sobre a publicação.
- Comentários desrespeitosos serão excluídos.
- É permitido deixar o link de seus blogs ou sites.
- Visitas a outros blogs serão feitas, quando possível, não insista.

Obrigada,volte sempre!

imagem-logo